Avançando em meio à pandemia

É consenso que estamos vivendo um momento ímpar na história da humanidade. Quando falamos de Brasil, apesar de termos passado a pouco tempo por surtos como o da H1n1 em meados 2009 e o de Zika vírus em 2015, nenhuma das duas situações é comparável ao que estamos enfrentando. Perguntas do tipo: Como será a recessão pós-pandemia? Quanto tempo levaremos para que as coisas voltem aos seus lugares? Como estará o mercado em que atuo quando isso passar? Devo mudar de área de atuação? Todas elas têm permeado o imaginário daqueles que de forma honrada, contribuem com a sociedade através do seu trabalho, e levam o pão aos seus lares.

Notícias sobre demissões começam aparecer e paralelo a elas o medo começa a assolar a muitos.

Os governos, tal como outros atores do universo sociedade, também parecem perdidos e não geram confiança em suas ações quase sempre descoordenadas.

Não alheios à crise, mas antenados aos movimentos do mercado, alguns profissionais tem procurado se readequar ao momento de incertezas e a um pós-crise que não parece animador. Prova disso é o aumento na quantidade de entregadores de serviços essenciais, como alimentos dos mais variados e itens farmacêuticos.

Outro ramo que tem se movimentado é o da tecnologia. Com o avanço do home office as empresas de T.I. tiveram em muitos casos aumento em suas demandas e importância dentro das corporações.

Um destaque vai para os serviços de acesso remoto mantidos pelas equipes de tecnologia. Tal serviço era até desconhecido por muitas empresas, mas agora tais ferramentas estão alcançando um destaque incrível devido à necessidade do momento.

Outro serviço muito desejado pelas empresas é a gestão de ferramentas de conferência. Como não é possível realizar reuniões pessoalmente com clientes e parceiros no momento, a utilização dessas ferramentas tem sido um suporte fantástico à continuidade das atividades de muitas corporações.

Com a necessidade de execuções cada vez mais “Online”, outro sub-mercado da tecnologia que também tende a crescer é o de desenvolvimento e manutenção de aplicações. Em um futuro próximo muitos novos programas devem nascer para atender as mais variadas necessidades das empresas, então naturalmente vagas podem ser abertas a esse tipo de profissional.

Outro seguimento que tem se movimentado e pode crescer em um futuro pós-crise é o de logística. Com a necessidade abrupta de que muitos serviços fossem prestados sem intervenção local do cliente em lojas físicas e centros de atendimento em geral, será de grande importância que muitas empresas invistam em suas logísticas, ou contratem terceiros que detenham expertise para tal.

Outro ponto importante é que empresas que já prestavam serviços com opções de entrega à domicílio devem ter um aumento substancial em suas demandas, o que abre uma gama de oportunidades à profissionais desse segmento.

No setor de saúde também podemos ter abertura de vagas, mesmo após o fim do surto. Um destaque vai para a comercialização de itens de higiene pessoal. Tal possibilidade consiste em uma pseudo mudança de cultura do público em geral no que se refere aos cuidados de prevenção a doenças e higiene. Em países como Japão e China, por exemplo, o uso de máscaras não é algo oriundo apenas do momento de pandemia. Tal hábito pode ganhar alguma relevância ao público comum de outros países no futuro pós-surto.

Outro mercado que tende a ganhar mais força ainda é o de Educação à distância. Tal como os outros acima citados, esse não é um novo ramo de negócio, todavia, com o desejo das pessoas em aprender sem se deslocar, tal modalidade pode crescer exponencialmente nos próximos anos.

Em suma, as crises sempre geram oportunidades pra quem está atento. Cabe ao profissional avaliar seu ramo de atuação e também se autoavaliar como profissional inserido em seu meio.

Esse período de reclusão também pode transformar-se em uma excelente oportunidade de aprendizado e reciclagem, e deve ser levado também como uma oportunidade profissional em potencial.

A gama de possibilidades durante esse período é latente. Cursos técnicos e profissionalizantes em formato EAD, podem ser facilmente adquiridos por profissionais interessados em aperfeiçoar-se dentro de suas atividades, ou mesmo mudar de ramo de atuação. Fato é que muitos negócios tendem a ter muitas dificuldades nesse momento, como o setor de turismo, por exemplo. Todavia, não podemos nos esquecer que a pandemia é algo que vai passar. Essa é a informação que a ciência nos afirma, pelo menos. Temos que confiar nela e não nos abater nesse momento. Grandes crises sempre geraram ao longo da história novas oportunidades, mudanças de líderes de mercado, migração de recursos entre outros fatores que podem ser sim positivos ao profissional antenado ao momento.

Cabe a nós não travarmos pelo medo, mantermos o ideal proativo e construtor, buscarmos o pensamento otimista mesmo que ele pareça irresponsável. Finalizo com a já desgastada verdade: “Mar calmo nunca fez bom marinheiro.” Então vamos navegar nessas águas.